Eu não tenho medo †
"Se você ama duas pessoas ao mesmo tempo, escolha a segunda, porque se você realmente amasse a primeira, não teria uma segunda opção"
- Johnny Depp
Não sou nada fácil, sou quase um anti-amor. Eu sou aquela folha de rascunho, meio borrada - até abandonada por conta dos erros -, mas que sempre falava de amor. Sempre. De você, eu só esperava uma segunda chance: a primeira para cometer os inevitáveis erros; e a segunda, para causar uma nova impressão.
Fred Medeiros.
Não sei lidar com o que carrego no coração. A primeira vez que gostei de alguém, eu tinha nove anos. Por mais que eu gostasse bastante, nunca soube como dizer isso à ela, assim, na lata. Alguns meses depois, ela estava de malas prontas para ir embora da cidade, e eu, sem saber o que fazer, só desejei uma boa viagem, com o coração querendo pedir para que não fosse. Quando fiz quatorze anos, gostei da minha vizinha, foi estranho. Eu à olhava por um buraco no muro que separava nossas varandas, meio babaca, reconheço, mas era o que eu conseguia fazer. Um dia ela subiu no muro, e eu estava à olhando, ela sorriu e quase tive um infarto. O importante é que me senti feliz por um momento, quando ela me fez alguns elogios sobre a aparência, e olha que nem sou tão bonito assim. Em algumas semanas de conversas, ela disse que estava gostando desse meu jeito meio inútil de ser. E, novamente, eu não soube o que fazer. Alguma semanas depois, o pai dela foi assassinado dentro de casa, ela se mudou, eu à perdi também. Aos quinze anos me apaixonei por uma menina da escola, não esperava muita coisa dela no começo, nem de mim, pra variar. Até que, em um dia qualquer, nos falamos pela primeira vez, sentados, enquanto eu tentava à olhar nos olhos e não conseguia. Por ironia do destino, dias depois, ficamos. Olha só que beleza, olhando assim até parece que algo deu certo comigo. Não, não deu. Namoramos por três meses e como de costume, acabou. Não deu, valeu a tentativa. Ou não valeu. Tenho essa perspectiva de não ter aprendido nada com os amores que a vida deixou pra trás.
Junior Lima. 
FUTURASUICIDA ©